0

Nota sobre o rompimento da barragem de Brumadinho

O Distrito 4730 divulgou neste sábado (26) um comunicado lamentando o rompimento da barragem na Mina do Feijão. O desastre ambiental aconteceu na tarde desta sexta-feira (25), em Brumadinho, Minas Gerais. Segundo boletim divulgado pelas Forças Integradas de Segurança de Minas Gerais, indica que há aproximadamente 300 desaparecidos e 11 mortos até o momento. Em nota, o Distrito 4730 “se coloca à disposição da sociedade brasileira para auxiliar no que for possível”.

 

Confira abaixo o comunicado na íntegra:

Nota do Distrito 4730 sobre o rompimento da barragem de Brumadinho

O Distrito 4730 lamenta o rompimento de barragem da Mina do Feijão, ocorrido nesta sexta-feira, 25 de janeiro de 2019, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Nesse momento, o Distrito 4730 se solidariza com aqueles que sofrem com a perda ou a incerteza sobre a situação de amigos e familiares e deseja assertividade e resiliência a todos os que estão envolvidos nos trabalhos de resgate e atendimento às vitimas, assim como na busca de sobreviventes e contenção de danos.

O Distrito 4730 se coloca à disposição da sociedade brasileira para auxiliar no que for possível.

Reforça também necessidade de discutir alternativas e protocolos técnicos capazes de minimizar riscos sociais e ambientais, assim como as políticas de licenciamento ambiental e de segurança de barragens. Também que é imperativo que os órgãos técnicos e competentes trabalhem juntos na busca de soluções definitivas para que desastres como esse jamais voltem acontecer em nosso país.

Isis Ribas Busse

Distrito 4730 de “ Rotary International “

Governadora 2018-2019

 

Sobre o rompimento

Desativada desde 2015, a barragem na Mina do Feijão rompeu no início da tarde desta sexta-feira (26), causando uma avalanche de lama e rejeitos de minério de ferro que soterrou parte da comunidade da Vila Ferteco, área rural do município de Brumadinho, Minas Gerais. O novo desastre ambiental envolvendo uma barragem da mineradora Vale ocorre pouco mais de três anos após a tragédia de Mariana.

De acordo com a Vale, ao menos 300 funcionários atuavam no local no momento do rompimento. Segundo o Corpo de Bombeiros, até o momento são 23 vítimas hospitalizadas, 81 desabrigados e 34 mortos.

O presidente Jair Bolsonaro lamentou o ocorrido por meio de notas em suas redes sociais. “Nossa maior preocupação neste momento é atender eventuais vítimas desta grave tragédia”, afirmou. O Governo ativou um gabinete de crise, coordenado pelos ministérios do Desenvolvimento Regional e do Meio Ambiente.

Após sobrevoar a área atingida pelo rompimento de barragens e falar com familiares das vítimas da tragédia em Brumadinho, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, determinou a criação de uma Força-Tarefa para apurar causas e responsabilidades. A Vale já foi multada em 250 milhões de reais pelo Ibama pelo acidente em Brumadinho e a Justiça autorizou o bloqueio de 5 bilhões de reais da mineradora.

 

 

Atendimento às vítimas

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos abriu um canal especial para que os atingidos pelo rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG), possam denunciar violação de direitos ou solicitar ajuda na busca de desaparecidos. De qualquer aparelho, celular ou fixo, o Disque 100 atenderá com prioridade as demandas relativas à tragédia.

Os bombeiros que atuam no local afirmam que as doações recebidas já são suficientes e que, no momento, não são necessárias novas contribuições.

 

 

 

Fontes:

Barragem da Vale rompe em Brumadinho e causa novo desastre ambiental em MG – El País

AO VIVO | Rompimento de barragem em Brumadinho: siga as últimas notícias – El País

Laís Adriana de Almeida

Laís Adriana de Almeida

Estagiária de Comunicação do Distrito 4730; Estudante de Jornalismo da UFPR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *